Seja Bem-Vindo ao Blog da VEKA

Visita de diretor da alemanha é destaque

A visita do diretor da VEKA Alemã, Michael Pattalon - um dos executivos mais importantes da matriz - à VEKA Brasil, resultou numa entrevista com a jornalista e colunista de economia do Diário Catarinense, Estela Benetti. A entrevista teve o foco no crescimento do PVC e no potencial do mercado brasileiro, trazendo a visão de uma multinacional como a VEKA, diante de assuntos como a crise, os investimentos que serão realizados para atender o mercado e os avanços da tecnologia. Veja a entrevista na íntegra abaixo ou no blog da jornalista Estela Benetti: 
http://dc.clicrbs.com.br/sc/colunistas/estela-benetti/noticia/2016/09/empresa-alema-avanca-com-foco-em-esquadrias-para-janelas-termoacusticas-7421240.html

Empresa alemã avança com foco em esquadrias para janelas termoacústicas

Entre as multinacionais atentas ao potencial do mercado brasileiro está o grupo alemão Veka, especializado em esquadrias de PVC com isolamento termoacústico, que tem fábrica em Biguaçu. O diretor responsável pelas fábricas do grupo no mundo, Michael Pattalon, em visita a SC, mostrou otimismo e destacou o uso de tecnologia.

Como foi o crescimento da Veka em 2015 no Brasil e qual é a expectativa para este ano?
Crescemos em 2015 29%. Para 2016 não vamos atingir as expectativas devido à crise, por isso estamos definindo medidas para crescer nos próximos anos. Acreditamos no mercado brasileiro, só que precisamos nos posicionar de forma correta para voltar a ter o crescimento que alcançamos até agora.

Pode antecipar algumas medidas?
Vamos tentar deixar nossos produtos mais atrativos para os mercados residenciais. Também planejamos avançar em projetos verticais (edifícios).

No Brasil, passamos muito frio no inverno e muito calor no verão, com altos custos de energia. O mercado brasileiro está despertando para essa construção mais eficiente termicamente, dentro da linha que vocês oferecem?
Essa é exatamente a justificativa de usar produtos como o nosso, com isolamento térmico e acústico. Esperamos que o mercado olhe mais isso. Temos exemplos de uso desses produtos no método construtivo catarinense, que viabilizou uma economia de energia de 50%. É possível alcançar mais. Nossas esquadrias para portas e janelas (com vidros duplos) são bem vedadas, não permitem troca de ar de dentro para fora. Isso conserva a temperatura interna.

Onde a Veka está crescendo mais no Brasil?
Hoje, 60% do que comercializamos está na Região Sul e 30% no Sudeste. Há um grande potencial de crescimento no país.

Como vê o cenário econômico do país?
Estamos acompanhando os problemas do Brasil. Foram nove meses só falando do impeachment. Agora, os resultados dependerão das ações que o governo vai tomar. Acredito que o Brasil terá que fazer algumas reformas. O país ainda é muito fechado. Isso dificulta o crescimento da economia. O custo Brasil é muito alto.

O aumento da concorrência reduz preços. No Brasil, por exemplo, temos um fornecedor de PVC. Na Alemanha são seis ou sete.

Que medidas a Veka tomou para enfrentar a crise?
Demitimos mais de 20% dos trabalhadores, passamos parte da produção para o Chile devido a custos de matérias-primas. Estamos aproveitando a crise para olhar todos os custos.

Quanto vão investir?
O mercado sul-americano tem uma alta prioridade para o grupo Veka. Se crescer, vamos investir. Hoje, no Brasil, a participação de esquadrias de PVC é inferior a 5%. De acordo com a experiência da nossa matriz, pode-se chegar a 25% e 30%. No Chile, a participação de esquadrias de PVC é superior a 55%. Há três anos, era 30%.

A tecnologia também avança. Como é a janela digital, já vendida na Alemanha?
É uma janela que abre e fecha automaticamente de acordo com a temperatura, sol e ventos. Os vidros escurecem. Não somos fabricantes diretos, mas participamos. Essas janelas já são usadas. Há pesquisas para janelas com placas fotovoltaicas e uso de chips, mas isso ainda não foi lançado.